Aqura

A Santa Escravidão de Amor – Por São Cura d’Ars

        Entre as santas devoções usadas para honrar a Santíssima Virgem, queridas e adotadas pelos filhos verdadeiros da Igreja Católica, uma das mais antigas e mais amorosas é a da “Santa Escravidão”.

É o resumo das demais devoções; não há nenhum dos privilégios da Mãe de Jesus que não seja dignamente honrado por ela.

Pois a Santíssima Virgem é a maior, a mais elevada e a mais eminente de todas as criaturas, também as homenagens a Ela prestadas, devem ser as mais submissas, as mais profundas e as mais humildes de quantas houver depois das que devemos a Deus.

Ora, como não há homenagem mais “profunda” que a abnegação, parece que a “Santa Escravidão é o culto mais apropriado à sua grandeza”.

Convém observar que sendo a criação obra exclusiva de Deus e não da Santíssima Virgem, não podemos confessar-nos criaturas d’Ela, pois esta honra só a Deus cabe.

“Como, porém, Ela é a Mãe d’Aquele que nos retirou da escravidão do demônio, não pode haver homem que, sem ingratidão, não a reconheça por sua Senhora, nem se honre por se seu escravo”.

Como diz muito bem São João Damasceno, “quando Deus se fez homem para resgatar-nos, pôs aos pés de sua Mãe todas as criaturas”.

Aliás, Maria forneceu a moeda com que se pagou a carne de Jesus Cristo, que é a carne de Maria: “Caro Christi est caro Mariae” (Carne de Cristo é a carne de Maria).

Por nossa condição somos, pois, seus servos; devemos também sê-lo por zelo e desejo, pois esta devoção (escravidão de Amor) está fundada sobre o exemplo de Jesus Cristo que para obrigar-nos a reconhecer a sua Mãe Santíssima como Senhora Nossa quis submeter-se a Ela durante os trinta primeiros anos de sua vida, como o faz notar o Evangelho: “Erat subditus illis” (Ele era obediente a eles. cf. Lc 2, 51).

De fato, durante todo este tempo, o Salvador vivia sob a autoridade de sua Mãe; e, em consideração a Ela, quis submeter-se até a São José, Por este o esposo de sua Mãe Santíssima.

Fonte: “O segredo da Verdadeira Devoção para com a Santíssima Virgem” – Pe. Júlio Maria de Lombaerde, S.D.N.